Agradecer Agradecer:  0
Curtir Curtir:  0
Página 1 de 6 123 ... ÚltimoÚltimo
Resultados 1 a 10 de 59

Tópico: Assassinos

  1. #1
    Avatar de Sepht_Scavenger
    Registro
    06-10-2004
    Localização
    Na puta que pariu
    Idade
    30
    Posts
    253
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas DebatedorEstagiárioAdepto do OffCitizen
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão Assassinos

    Mais um topico macabro pro meu dia negro...

    Aberrações humanas ou frutos da sociedade ?
    Abaixo eu cito alguns assassinos e os crimes que os tornaram conhecidos. Muitas pessoas levam essas figuras patéticas a condição de "ídolos", não se lembrando de todo sofrimento e dor que trouxeram para pessoas inocentes, somente para satisfazer sua loucura.
    Lembre-se, antes de se "divertir" com essas histórias ou "admirar" seus "autores", que cada uma de suas vítimas foi um filho, uma filha, tinham uma família assim como eu ou você, uma família que nunca mais os teve de volta e ainda hoje sofre pela atitude de um lunático. Então, antes de pensar no assassino, ponha-se no lugar da vítima e de sua família, pois um assassinato pode ser divertido no cinema, mas estes são assassinos verdadeiros, que agiram com extrema covardia, atacando pessoas de verdade, que poderiam ser qualquer um, até mesmo você...

    pS: Eu tinha colocado figuras, mas deu um erro e fechou... perdi a paciencia, soh vou por texto msm...

    ZODIACO
    Era o ano de 1968, faltavam poucos dias para o Natal, quando um casal de namorados foi baleado e morto dentro de um carro, nas proximidades do reservatório de São Francisco. O que poderia ser somente mais um assassinato, na verdade representava o início de uma onda de crimes que aterrorizaria toda São Francisco entre as décadas de 60 e 70. Em 4 de julho de 1969 outro casal de foi atacado dentro de um carro: Darlene Farrin morreu na hora, mas seu namorado, mesmo gravemente ferido, sobreviveu e pode dar uma descrição do assassino, um homem alto e musculoso, segundo ele, que há dias vinha perseguindo Darlene. Outro fato que chamou a atenção foi a semelhança de Darlene com a primeira vítima.
    Após esse crime, o assassino que posteriormente se auto-denominaria Zodíaco, escreveu a primeira de uma série de cartas endereçadas a polícia, nela se identificava simplesmente como "...o assassino dos dois adolescentes no último Natal, e da garota no 4 de julho".
    Pouco tempo depois, outro casal foi surpreendido por um homem encapuzado e armado que surgiu do meio do mato. Amarrados a uma árvore, os dois foram esfaqueados diversas vezes. Mais uma vez o rapaz sobreviveu, mas a garota não. Novamente o assassino escreveu para a polícia, numa mensagem em código onde dizia:"Adoro matar pessoas (...) É mais divertido do que caçar, porque o homem é o animal mais perigoso de todos".
    Em uma de suas cartas, o criminoso se "identificou" e apresentou o que poderia ser sua "motivação": "Meu nome é Zodíaco. Matei dez pessoas, e matarei ainda mais. Quando morrer renascerei no Paraíso, e todos que matei serão meus escravos".
    Seu terceiro crime foi o assassinato de um taxista, após o qual, Zodíaco afirmou que atiraria nos pneus de um ônibus escolar e depois mataria as crianças uma a uma, assim que elas saíssem. Também ameaçou explodir um ônibus e enviou o diagrama da bomba que usaria (o diagrama revelou uma bomba realmente funcional).
    Usando o depoimento dos sobreviventes e as características mostradas nos crimes e cartas, foi montado um retrato falado e um perfil psicológico do assassino: branco, com cabelos ruivos, curtos (corte militar), óculos grossos de armação preta, musculoso, porte atlético e bem vestido; bom atirador, com conhecimento de química, bombas, história, mitologia e ocultismo. Pelas citações a filmes, que fazia em suas cartas (como "O Fantasma da Ópera"), chegou-se a conclusão que também era um cinéfilo.
    Apesar de toda a mobilização, Zodíaco nunca foi capturado e sua identidade continua um mistério até hoje. Em sua última mensagem disse estar muito irritado com as mentiras que os policiais espalharam a seu respeito e que, por isso, mudaria os métodos que usava para obter "escravos", não mais anunciaria seus crimes, que daquele momento em diante iriam parecer roubos e acidentes, "...a polícia nunca me pegará, pois sou mais esperto que todos eles".
    Seus crimes aparentemente cessaram em julho de 1970, mas se, em sua última carta, Zodíaco falou a verdade, seus crimes podem estar ocorrendo até os dias de hoje...

    EDDIE GEIN
    O homem que inspirou os filmes Psicose e O Massacre da Serra Elétrica, teve uma infância difícil: sua mãe, Augusta, era uma fanática religiosa e moralista, que impedia tanto Eddie quanto seu irmão, Henry, de trabalharem fora da fazenda da família e de manterem qualquer contato com mulheres.
    Eddie, já de meia-idade, ficou sozinho em sua fazenda, com a morte de seu irmão e sua mãe (seu pai morrera pouco tempo antes), neste momento suas atitudes bizarras começaram a aparecer: empalhou o corpo da mãe e o guardou num quarto, masturbando-se ocasionalmente em frente ao mesmo.
    Além disso, Eddie passou a violar túmulos recentes e roubar a pele dos corpos para fazer roupas e outros objetos. Mas foi em dezembro de 1954 que Eddie abandonou os atos bizarros para cometer seu primeiro homicídio, atacando a tiros Mary Hogan, de 54 anos.
    Em 1957, Eddie fez sua segunda vítima, Bernice Horden, mas evidências, como seu caminhão parado a noite inteira em frente a cena do crime, levaram a sua prisão. Quando entraram na casa da fazenda, onde Eddie morava, os policiais se depararam com horrores que mal podiam imaginar, o até então recluso fazendeiro, escondia um segredo mórbido e doentio, somente revelado naquele momento: um crânio usado como tigela de sopa, braceletes e um abajur de pele humana, um cinto feito de mamilos, um coração humano no forno e o corpo de Bernice, do lado de fora, pendurado, decaptado e partido ao meio (foto ao lado).

    JOHN WAYNE GACY
    Palhaços cometendo crimes já foram tema de vários filmes, quer seja sob a forma de entidades sobrenaturais, como no filme "It" (baseado na obra de Stephen King), ou loucos foragidos de um manicômio, como no filme "Palhaços Assassinos". Mas se esse terror fosse real? E se aquele indivíduo querido pelas crianças e digno da confiança de toda a vizinhança, escondesse uma face sombria? Essa é mais ou menos a história de John Wayne Gacy Junior.
    Quando a polícia, em 1978, foi fazer uma busca na casa do palhaço amador John Gacy, ninguém podia esperar por um desfecho como aquele: intrigados com um mau cheiro que vinha do porão, os policiais decidiram descer para averiguar e encontraram, sob um alçapão oculto, os restos de vinte e nove cadáveres, com idades entre nove e vinte e sete anos.
    Nascido em 1942, John Gacy teve uma infância sofrida nas mãos de um pai alcoólatra. Em 1968 foi preso por prática sexual com outro homem dentro de um banheiro, quatro anos depois começou a matar, só fazendo vítimas masculinas.
    As vítimas eram atraídas para a casa de John por propostas de emprego (quando mais velhas) ou pela confiança que tinham no "bom" palhaço (especialmente as crianças). Chegando lá eram embebedados, amarrados e estuprados, para só depois serem mortos.
    Condenado, em 1988, a vinte e uma prisões perpétuas e doze penas de morte, Gacy passou a dedicar-se ao desenho enquanto aguardava sua execução, variando entre temas como "Os Sete Anões", palhaços, caveiras e até mesmo Hitler.
    Os bizarros desenhos do "Palhaço Assassino" (como a imprensa passou a tratá-lo), adquiriram valor e agora fazem parte de mórbidas coleções.

    RICHARD FRANKLIN SPECK
    Na noite do dia 14 de julho de 1966, o lixeiro semi-analfabeto Richard Franklin Speck, de vinte e quatro anos, viciado em álcool e drogas, invadiu a casa onde nove enfermeiras moravam juntas. Armado com uma faca e um revólver, amarrou todas e as matou uma por vez. Cotazon Amurao, de vinte três anos, foi a única sobrevivente, mas para isso foi obrigada a se manter escondida debaixo da cama e presenciar toda a tragédia pela qual suas amigas passaram. As digitais pela casa e o reconhecimento positivo por Cotazon, fizeram com que Speck fosse condenado a cadeira elétrica em julho de 1967, pelo assassinato em primeiro grau de oito pessoas.
    Quando a pena de morte foi abolida pela Suprema Corte, Speck passou por novo julgamento, sendo condenado a quatrocentos anos de prisão. Só foi confessar seu crime em 1978, para um jornalista (até então alegava inocência). Morto por um ataque cardíaco em 5 de dezembro de 1991, teve seus hábitos na prisão revelados por um vídeo de duas horas, exibido por uma emissora de Chicago, onde aparecia com implantes de silicone e calcinhas. Comentou sobre o prazer que tinha na cadeia - entre uma carreira e outra de cocaína - e sobre como o assassinato na vida real era diferente da TV, onde as pessoas morrem em segundos, na vida real "...a coisa toda leva três, quatro minutos... você deve tem que usar muita força..." dizia ele.

    CHARLES MANSON

    Charles Manson fundou sua comunidade hippie em 1954, logo após ter cumprido uma pena de dez anos. Localizado em Spahn Ranch, nas proximidades de Los Angeles, o grupo pregava o amor livre e o uso de drogas, com Manson sendo encarado como um Messias por seus seguidores, ou "família" como eles preferiam ser tratados. Poderiam ter sido somente mais uma comunidade hippie típica da época, não fossem as bizarras idéias de seu líder: filho de uma prostituta, Manson passou por vários reformatórios juvenis, respondendo por crimes como falsificação e roubo, mas seria somente após a formação de sua comunidade que o maníaco por trás daqueles pequenos golpes se revelaria.
    Antes de iniciar sua breve onda de crimes, a "família" de uma forma geral e, mais especificamente Manson, foram investigados pelo desaparecimento e suposto assassinato de um de seus membros que, aparentemente, vinha questionando seu líder. A "família" se uniu em torno de Manson, dificultando as investigações. Como nunca foi provado nada o caso foi arquivado, mas uma sombra obscura começou a pairar sobre aquela comunidade que "pregava" a paz e o amor.
    Mas foi em 9 de agosto de 1969 que a "família" mostrou toda sua loucura, invadindo a mansão do diretor de cinema Roman Polanski, em Hollywood, e assassinando

    brutalmente sua esposa, a modelo e atriz Sharon Tate (grávida na ocasião), e mais dois casais de convidados que se encontravam na casa. As vítimas foram baleadas, esfaqueadas e espancadas até a morte, seu sangue foi usado para escrever mensagens nas paredes. O exame dos legistas comprovou que o bebê sobreviveu por horas após a morte de sua mãe.
    Na noite seguinte foi a vez de Leno e Rosemary LaBianca, que tiveram sua casa invadida e também foram brutalmente assassinados.
    Manson e seus seguidores foram presos e acusados dos assassinatos. Mais uma vez a "família" se uniu em torno de seu líder, tentando preservá-lo, seguindo um plano já traçado desde antes de começarem os assassinatos, Manson afirmou desconhecer os atos de seus seguidores, alegando não estar com os mesmos quando os crimes foram cometidos. No julgamento, três seguidoras de Manson queriam assumir a culpa e inocentar seu líder, mas os advogados se recusaram a aceitar seus depoimentos. Neste momento Charles Manson decide revelar sua verdadeira face, até então oculta sob a figura do pacifista inocente perseguido pelo sistema, e passa a afirmar seu profundo ódio pela humanidade, que rejeitava ele e os membros de sua família, disse ele: "Tenho feito tudo para ser aceito em seu mundo, e agora vocês querem me matar! Eu apenas digo a mim mesmo: ora, já estou morto, sempre estive em toda a minha vida... não ligo a mínima para o que possam fazer comigo". Manson e seus seguidores foram julgados, culpados e condenados a prisão perpétua.
    Posteriormente foram revelados os reais objetivos dos crimes cometidos pela "família" Manson: seu líder não passava de um racista, que planejava cometer assassinatos brutais contra ricos brancos, para que esses pudessem ser atribuídos a negros, iniciando uma onda de racismo e perseguições contra os negros de todo o país. Em certa ocasião Manson afirmou que se começasse a matar nunca poderia ser parado, até ter exterminado toda a Humanidade (dimensão exata de sua loucura e megalomania).
    Atualmente muitos artistas tentam se valer da imagem de Manson de forma sensacionalista, chegando a pregar sua libertação, um absurdo tendo em vista tudo que ele fez e afirmou ser capaz de fazer se continuasse solto.

    MIRA E BRAD HINDLEY

    Autora de crimes que chocaram até mesmo os mais antigos investigadores de homicídio, Myra Hindley não estava sozinha, tinha em Ian Brady mais que um companheiro, na verdade ele era um mentor e cúmplice em suas atrocidades.
    Na pantanosa Hattersley, uma cidade da Inglaterra, em 1960, Hindley, então com 23 anos, e Brady, com 28, moravam na casa da avó dela e passavam despercebidos pela maioria dos vizinhos, que não os conheciam nem podiam imaginar todo o horror que a dupla era capaz de provocar.
    Enquanto torturavam e assassinavam, os dois ainda tinham o sádico prazer de gravar os gritos das vítimas e fazer fotos pornográficas, que comprovavam o abuso sexual.
    Tudo corria bem para os dois, até o momento em que decidiram recrutar mais um agente para seus crimes. O escolhido foi David Smith, cunhado de Hindley, com um passado de violência e alcoolismo parecia perfeito para acompanhá-los. O casal achou que uma demonstração de seus atos seria o suficiente para convencer Smith, dessa forma convidaram-no para assistir Brady matar um garoto de 17 anos a machadadas (foram 14 ao todo), ao final das quais o assassino estrangulou a vítima, durante todo o tempo fazendo piadas. Smith ajudou Brady e Hindley a limpar tudo e preparar o corpo para o enterro, mas, na manhã seguinte, foi com sua esposa a uma delegacia e denunciou os dois.
    Apesar de negarem os onze assassinatos dos quais eram suspeitos, um de seu hábitos acabou por denunciá-los: uma foto de Hindley no pântano, olhando para um buraco cheio de entulho, deu aos investigadores a dica de onde começar a procurar por corpos. No local indicado pela foto foi encontrado o corpo de um menino de 12 anos, John Kilbride. As buscas encontraram mais corpos e talvez a vítima de maior impacto: Leslie Downey, 10 anos, desaparecida há dez meses, havia sido fotografada em posições pornográficas enquanto sofria abusos sexuais. Ela também foi torturada, tendo sido encontrada uma fita na qual foram gravados seus gritos nos últimos momentos de vida.
    Apesar da condenação de Hindley e Brady à prisão perpétua, nenhum dos dois demonstrou qualquer sinal de remorso ou arrenpendimento durante o julgamento. Os dois ainda cumprem suas penas. Hindley tentou condicional recentemente, mas seu pedido foi negado, segundo o juiz ela "gastará o resto de seus dias tentando liberdade, mas não terá a mínima chance".

    PEDRO ALONSO LOPEZ
    Pedro Alonso Lopez, mais conhecido como Monstro dos Andes, nasceu na Colômbia, porém seus crimes se extenderam por um total de três países. Com apenas oito anos, sua mãe (uma prostituta) o expulsou de casa, já que estava acariciando a irmã, seria o começo de uma vida trágica, marcada por crimes, abusos e mortes.
    Quando completa 18 anos, é estuprado por uma gangue na prisão, para se vingar executa três dos agressores. Mesmo cometendo tais delitos, é solto, começando uma seqüência de crimes que conduziram a um total de mais de 100 mulheres mortas em apenas um ano (1978), no Peru. Em seu último ataque no Peru, o Mosntro dos Andes é perseguido por uma população aldeã, levando-o a mudar seu local de atuação para Colômbia e Equador.
    Segundo ele, foi mais divertido matar as mulheres equatorianas porque eram "mais gentis e confiáveis, mais inocentes.". Graças as qualidades mencionadas, aumentou o número de assassinatos, passando para um média de três mortas por semana.
    Apesar da onda de crimes, as autoridades locais atribuíram os desaparecimentos à prostituição e a escravidão comuns nestes países, contudo sem conduzir investigações que pudessem garantir bases concretas para sustentar tal hipótese. Em 1980, as inundações mostrariam que esses atos na verdade eram cometidos por um serial killer, uma vez que vários corpos foram encontrados.
    Através de investigações, a polícia chegou ao nome de Pedro, que durante seu interrogatório declarou a autoria de vários assassinatos. Mais uma vez, o ceticismo levou a descrença que apenas um indivíduo pudesse matar tantas pessoas em tão pouco tempo. Para acabar com tal mentalidade, o próprio Monstro dos Andes apresentou ao público mais de 50 covas.
    Atualmente, as expectativas não cogitam nem 300 mortes, isto é pouco para um dos maiores psicopatas que já assolaram a América Latina.


    ANDREI CHIKATILO
    Andrei Chikatilo, nascido na Ucrânia em 16 de outubro de 1936, tornou-se o primeiro serial-killer conhecido da Rússia no século XX. Quando criança era, juntamente com seus irmãos, atormentado pela história do seqüestro e assassinato de seu irmão mais velho, Stepan, que teria sido canibalizado durante a grande fome que assolou a Ucrânia na década de trinta. Apesar da veemência de sua mãe ao contar a história, nunca foi encontrado nada que comprovasse a existência de algum Stepan Chikatilo, não há registros de seu nascimento nem de sua morte.
    Durante a juventude, Andrei sofreu muito com uma disfunção sexual que o tornou temporariamente impotente, causando-lhe certo abalo psicológico. Apesar do casamento, na década de sessenta, do qual nasceram seus dois filhos, Andrei sempre acreditou que havia sido cegado e castrado ao nascimento, o que o levou a ter comportamentos mórbidos de violência e vingança.
    Formado, Andrei começou a trabalhar em uma escola para rapazes, situada em Rostov-on-Don, onde tornou-se alvo das brincadeiras dos alunos, que inicialmente o chamavam de "ganso" (devido a seu pescoço comprido e estranha postura), mas depois passaram a chamá-lo de "maricas", uma vez que passou a molestar estudantes no dormitório. Apesar de sua idade e tamanho, Andrei sentia-se intimidado pelos alunos, por isso passou a levar sempre consigo uma faca.
    Sua verdadeira face foi descoberta quando seus crimes vieram à tona: durante anos Andrei Chikatilo matou e canibalizou dezenas de vítimas, na sua maioria crianças, que ele encontrava em estações de ônibus ou trens. A inaptidão das autoridades russas, associada a sua recusa em aceitar o fato de que existia um serial-killer agindo em sua sociedade perfeita, permitiram que Andrei agisse por vinte anos. Detido certa vez

    para averiguações, foi libertado logo depois, quando ficou comprovada a incompatibilidade entre seu sangue e o sêmen encontrado nas vítimas (algo raro, mas possível de ocorrer). Isso só fez com que Andrei passasse a agir com mais despreocupação. Sua prisão só foi possível graças a determinação de dois investigadores, envolvidos com sua primeira detenção, que lembraram de seu nome depois que ele foi visto saindo de um bosque próximo a uma estação de trens, algo compatível com os locais onde as vítimas eram escolhidas e depois abandonadas.
    Em seu julgamento, Andrei definiu-se como um "aborto da natureza, uma besta louca", ao qual "só restava a condenação à pena de morte, o que seria até pouco para ele", nas palavras do próprio. Seu desejo foi atendido, com sua execução ocorrendo na prisão, em 14 de fevereiro de 1994, pelo pelotão de fuzilamento. Mas, antes disso, Chikatilo ainda pode chocar toda a sociedade soviética, com as descrições sangrentas de seus crimes e de como fervia e arrancava testículos e mamilos de suas vítimas.
    Andrei, certa vez, afirmou o seguinte sobre sua sexualidade: "Olhe que coisa mais inútil. Você pensa que se eu pudesse fazer alguma coisa eu não faria ?... Eu não sou um homossexual... Eu tenho leite em meus peitos; eu vou dar à luz!"

    JEFFREY DAHMER
    Jeffrey Dahmer, chamado de Jeff pelos amigos, o rapaz amigável, que trabalhava em uma fábrica de chocolates, se interessava por esportes e havia se mudado há um ano e meio da casa de sua avó, acabou por revelar-se um dos mais cruéis psicopatas da história.
    Foi na noite de 22 de julho de 1994, quando um carro patrulha, que fazia a ronda pelas ruas de Milwaukee, deparou-se com um jovem negro, seminu, que parecia totalmente descontrolado, seu nome era Sandy e ele fugira da casa de outro homem, chamado Dahmer, o qual conhecera em um bar para homossexuais. Sandy foi até a casa de Dahmer, a convite do próprio, para tomar uma bebida, chegando lá, o terrível cheiro do ambiente e as atitudes de seu anfitrião começaram a levantar suspeitas, principalmente após este por algemas em Sandy. Mesmo entorpecido após beber uma cerveja "com o gosto mais estranho de sua vida", Sandy juntou o que lhe restava de forças e fugiu.
    Os policiais puseram Sandy numa ambulância e foram averiguar a casa onde ele afirmou ter estado. Chegando lá foram recebidos por um atencioso e educado Jeff Dahmer, que apesar do adiantado da hora, não se incomodou em receber os policiais e lhes mostrar a casa. Explicou que o mal cheiro da
    casa devia-se ao fato de seu congelador ter quebrado, não tendo sido consertado ainda. Mas chegando na cozinha os policiais se depararam com algo muito pior que um congelador defeituoso: manchas gordurosas e escuras por todo o chão, três crânios, ainda com cabelos, envoltos em celofane e guardados nas prateleiras do freezer, um dorso na pia, aberto do pescoço até o estômago, um pênis cortado pela metade na pia, outro em um jarro e um terceiro, guardado na geladeira, em uma panela de lagostas, e vários restos de corpos, espalhados em frascos de formol pela casa, além de uma serra elétrica usada para os esquartejamentos. Apesar desse quadro aterrador, Jeff comportava-se como se não hovesse nada de anormal em sua casa e repetia continuamente para dois estarrecidos policiais: "Existem momentos na vida onde deve-se ser de todo honesto, este é um deles..."
    Embora não tenha oposto nenhuma resistência, Jeff foi levado preso como uma fera. Horas depois, uma equipe de técnicos, munida de garrafas de oxigênio passou um pente fino na casa de Jeff, encontrando cadáveres ou restos de cadáveres.

    Mas essa não era a primeira vez que Jeff se envolvia com a polícia, já tendo sido condenado a cinco anos de prisão por molestar um menor, com a pena sendo reduzida para um ano, por interferência de seu pai. Além disso, na casa de sua avó foram encontrados montes de ossos que Jeff, na época, afirmou serem de animais, o que não surpreendeu ninguém, uma vez que, quando crinaça ele apresentava gosto doentio por desossar animais (algo perfeitamente compatível com a personalidade de psicopatas, que em geral tem pequenos animais como suas primeiras "vítimas"). Mas o pior não foi isso, tempos antes de ser descoberto, uma vizinha chamou a polícia por desconfiar de uma confusão que ocorria na casa de Jeff, ao chegarem os policiais encontraram um jovem asiático, chorando completemente nu, sentado nas escadas em frente a casa. Ele não dominava o inglês, então, o sempre educado Jeff, saiu de casa e convenceu os policiais que tudo não passava de uma briga entre dois namorados homossexuais. Satisfeitos com essa versão, os policiais nem pediram para entrar na casa, e ainda foram aconselhar a vizinha a tomar conta de sua vida.

    JACK O ESTRIPADOR

    Na noite de 31 de agosto de 1888, começa o período de terror daquele que talvez seja o mais conhecido serial killer da história, Jack, o Estripador. A prostituta Mary Ann (Polly) Nichols, de 42 anos, viu a oportunidade de ganhar algum dinheiro, quando um homem de boa aparência se aproximou e a levou para um lugar mais escuro. Ela só perceberia o perigo tarde demais, apesar de haver muitas pessoas nas proximidades, ele a agarrou por trás, cobrindo-lhe a boca para depois cortar sua garganta. Seu corpo mutilado foi encontrado por um carroceiro na manhã seguinte.
    Sete dias depois, em 8 de setembro, ele voltaria a agir, mais uma vez sua vítima seria uma prostituta, fato que se repetiria em todos seus crimes. O corpo, completamente retalhado, de Annie Chapman, 47 anos, foi encontrado por um dos porteiros do mercado de Spitalfields, num pátio nos fundos da casa de número 29, da Hanbury Street. Suas jóias e seu dinheiro foram postos organizadamente ao lado do corpo.
    Começou a circular em Londres o boato de que o estripador carregava suas facas numa pequena mala preta, o que gerou uma intensa caçada a quem transitava pelas ruas com esse tipo de mala. Vários suspeitos foram presos, mas a polícia não tinha nenhuma prova que indicasse um caminho a seguir na busca do assassino, suas únicas informações davam conta de que o mesmo era canhoto e tinha algum conhecimento de medicina, uma vez que os crimes eram cometidos com bastente destreza e perícia, segundo um cirurgião da polícia.
    Na noite de 30 de setembro o estripador fez mais duas vítimas: Elizabeth Stride, que foi encontrada nos fundos do número 40 da Berner Street, com a garganta cortada e ainda sangrando, um indício de que o assassino havia abandonado o corpo instantes antes de o encontrarem, talvez tenha sido o mais próximo de sua captura que conseguiram chegar; mas foi Catharine Eddowes, a vítima mais mutilada do estripador, com um rastro de sangue estendendo-se do corpo até uma porta, onde fora escrito com giz "Os judeus não são culpados de nada.", supostamente um recado de Jack, embora nunca tenha se chegado a uma conclusão do seu significado, mesmo porque, mistreriosamente, o chefe de polícia Sir Charles Warren, mandou que apagassem a frase antes que se realizassem estudos mais profundos.
    Mas foi aquela que se supõe ser sua última vítima, o crime que mais chocou a população: Mary Kelly, uma jovem de apenas 25 anos, foi encontrada desmembrada dentro de seu próprio quarto, no número 13 de Miller's Court. Depois disso, não se teve mais notícia do estripador nem de crimes que possam ser atribuídos a ele.
    Muitos suspeitos foram interrogados e investigados pela polícia, mas três chamaram mais a atenção dos investigadores: Michael Ostrog, um médico russo homicida; Aaxon Kosminski, judeu polaco que odiava mulheres; e o advogado depravado, Montague John Druitt, no qual recaíram as principais suspeitas. Druitt nunca foi preso e desapareceu pouco depois do último crime, sendo seu corpo encontrado boiando no Tâmisa, sete semanas mais tarde, no dia 31 de dezembro de 1888, fato que fez com que lhe atribuíssem a autoria de todos os crimes. Mas muitas outras hipóteses foram levantadas, em algumas o assassino seria o médico e tutor do príncipe inglês, em outras o próprio príncipe seria o criminoso, um escândalo capaz de abalar toda a estrutura da mais tradicional monarquia do mundo e, ao mesmo tempo, uma boa explicação para a "ineficiência" das autoridades.
    De qualquer forma, apesar das inúmeras teorias, do incontável número de detetives, profissionais ou amadores, que durante todo esse tempo se interessaram pelo caso, a identidade de Jack, o Estripador, parece ser um mistério que jamais encontrará uma resposta.


    Ps: Tive que tirar quatro assassinos, chegou no limite. Posto depois.

    Publicidade:

  2. #2
    Avatar de Sepht_Scavenger
    Registro
    06-10-2004
    Localização
    Na puta que pariu
    Idade
    30
    Posts
    253
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas DebatedorEstagiárioAdepto do OffCitizen
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão Continuação

    Continuando...

    FEBRÔNIO INDIO DO BRASIL
    Uma espécie de "bicho-papão" para as crianças brasileiras das décadas de vinte e trinta (era comum os pais dizerem "se você não se comportar, o Febrônio vai te pegar", para as crianças que faziam malcriações), ganhou esta fama ao ser preso, em 1927, sob a acusação de ter estrangulado dois menores que resistiram a seus ataques homossexuais: Almiro José Ribeiro, em 17 de agosto, e João Ferreira, no dia 29 do mesmo mês. Os corpos, encontrados na Barra da Tijuca, tornaram Febrônio um dos criminosos mais conhecidos do Brasil.
    Mas o mineiro Febrônio Índio do Brasil, já era velho conhecido da polícia, tendo sua primeira prisão ocorrido em 1916, aos 21 anos, depois da qual acumularam-se outras 29, por motivos diversos como roubo, vadiagem e chantagem. Além disso, segundo palavras do diretor da Casa de Detenção a seu respeito: "consta que (...) entrega-se ao vício da pederastia". Febrônio também dedicava-se ao exercício ilegal da medicina e odontologia - consta que duas crianças morreram no Espiríto Santo após receberem medicação prescrita por ele.
    Febrônio também escreveu um livro, "Revelações do Príncipe do Fogo", que ele próprio mandou imprimir e vendia de mão em mão. Com prosa apocalíptica e tumultuada, inspirou modernistas como o brasileiro Mário de Andrade e o francês Blaise Cendrars, que escreveram sobre ele.
    No julgamento, o advogado Letácio Jansen, solicitou sua internação "numa casa de loucos onde
    haja a devida segurança e precisa vigilância". Com sua insanidade sendo atestada pelo perito Heitor Carrilho, o juiz Ary de Azevedo o considerou inimputável. No hospício, inicialmente Febrônio tentou reduzir sua pena, reivindicar a soltura em petições a juízes ou obter transferência para a Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá. Tinha como objetivo fugir, o que conseguiu em 1935, mas sua sorte durou pouco, sendo recapturado após somente um dia de liberdade. Após isso, entrou em processo de demência.
    O médico Heitor Carrilho (que hoje empresta o nome ao hospício) ficou de dezembro de 1927 a janeiro de 1929 examinando o "louco moral e homossexual com impulsões sádicas", solicitando depois sua "segragação ad vitam (enquanto vivo)". Num laudo de trinta e quatro folhas, determinou o sepultamento em vida do homem que, a partir de 1936, foi esquecido, passando longos períodos na solitária. Em junho de 1984 foi lançado o curta-metratgem "O Príncipe do Fogo", de Sílvio DaRin, tendo Febrônio como tema. Dois meses depois, aos 89 anos e completamente senil, o preso mais antigo do Brasil, interno número 000001 do Manicômio Judiciário, morreu de edema pulmonar agudo. Havia passado 57 anos no hospício.

    NATHAN E RICHARD
    Nathan Leopold, 18 anos, e Richard Loeb, 17 anos, dois filhinhos-de-papai, nascidos milionários em Chicago, confessaram ter matado a pancadas um colega de escola, Robert Franks, de apenas 14 anos, por puro esnobismo intelectual e diversão. Os dois jovens, sexualmente ambíguos, eram emblemáticos de uma certa juventude rica da década de vinte: universitários, ricos, simpáticos, viajados, por vezes brilhantes, mas sempre frívolos, esnobes e entediados. Foram presos porque Leopold deixou seus óculos, um modelo exclusivo, caírem junto ao corpo nu de Franks, e chocaram o mundo ao assumir friamente a culpa e explicar suas razões fúteis.
    O objetivo dos dois era cometer o "crime-perfeito", baseando seus planos nas idéias do filósofo Nietzsche (como o conceito do super-homem) e numa pretensa superiodade intelectual em relação aos investigadores. A vítima foi escolhida ao acaso, na saída da escola, uma vez que tratava-se apenas de matar alguém. Pais e irmãos dos assassinos chegaram a fazer parte da lista de possíveis vítimas, mas foram descartados devido a possibilidade de expô-los como suspeitos.
    Embora não apresentassem nenhum problema financeiro, Leopold e Loeb chegaram a pedir um resgate no valor de dois mil dólares ao pai de Bobby Franks, mas o corpo foi antes que o dinheiro pudesse ser entregue. Mais tarde, a dupla, que confessou e
    não fez questão de atenuantes, afirmou que o resgate era somente mais uma forma de cortejar com o perigo, aumentando a emoção do crime.
    Com uma atitude permanentemente debochada e a confissão dos réus, seu enforcamento era dado como certo, foi então que o poder econômico dos dois falou mais alto, com a contratação do advogado Clarence Darrow, na época o melhor advogado dos Estados Unidos, defensor dos assassinos e da causa impossível. Usando toda sua capacidade e muita ousadia, Darrow chegou a se referir aos frios criminosos como "pobres meninos".
    Darrow poderia ter alegado insanidade, não o fez, reconhecendo que seus clientes realmente eram incapazes de conviver em sociedade, mas condenou a pena de morte em tese, insinuou que a opinião pública queria a morte dos dois porque "eles eram ricos", culminando tudo com um brilhante ataque ao sistema educacional americano. Em sua conclusão, Darrow sublinhou o papel do juiz como guardião do bem-estar da comunidade, perguntado em seguida se o enforcamento dos réus configuraria tal benefício. A tática deu certo, Clarence Darrow conseguiu livrar seus dois clientes da pena morte, mas não pode evitar sua condenação a penas de prisão perpétua mais noventa e nove anos.

    RICHARD RAMIREZ
    Richard Ramirez, talvez o mais voraz serial killer do qual se tem notícia, nasceu em El Passo, Texas, no ano de 1960. Vivia com seus pais e seis irmãos, começando cedo sua carreira de crimes, aos 9 anos. Afirmando ser protegido e filho de Satã, Ramirez começou a morar nas ruas e em motéis baratos de Los Angeles, aos 23 anos, enquanto seus crimes iam ganhando cada vez maiores dimensões.
    Mas foi no verão de 1984 que sua onda de terror começou, com o assassinato de uma senhora de 79 anos, que foi esfaqueada até a morte e depois teve sua garganta açoitada, isso tudo dentro de sua própria casa. Em seguida uma garota de 6 anos foi seqüestrada no ponto de ônibus, ela foi estuprada e abandonada com vida em uma área deserta. Duas semanas depois, outra menina, esta com 9 anos, foi retirada de seu próprio quarto, violentada e abandonada. A vítima seguinte foi uma senhora, baleada quando chegava em casa e deixada viva, provavelmente, por ter se fingido demorta, mas sua colega de quarto, de 34 anos, não teve a mesma sorte, sendo baleada na
    cabeça e morta por Ramirez. Seus crimes prosseguiram, sem apresentar nenhum padrão definido para vítimas ou modo de agir, sendo o único fato notável sua crescente ferocidade (chegou a arrancar os olhos de uma mulher de 44 anos e cortar seu corpo, enquanto ela ainda estava viva).
    Como Ramirez variava muito seus métodos (ora usando facas, ora armas de fogo) e não apresentava vítimas específicas (atacando homens, mulheres, idosos, crianças), sendo isso um caso raro entre assassinos em série, levou algum tempo até a polícia conseguir perceber que todos aqueles crimes eram cometidos por uma mesma pessoa. Isso só foi notado quando três vítimas deram a mesma descrição de um homem alto, magro e de péssimo hálito, finalmente todos se deram conta de que havia um serial killer à solta, logo denominado pela imprensa de "Night Stalker" (algo como "Predador ou Caçador Noturno"). O que mais impressionava em Ramirez era sua grande variedade de crimes e o curto período de tempo nos quais eles foram cometidos, sendo eles: 13 assassinatos, 5 tentativas de homicídio, 6 estupros, 3 atos obscenos com crianças, 2 seqüestros, 3 atos de sexo oral forçado, 4 atos de atentado violento ao pudor com homens, 5 assaltos à mão armada e 14 roubos, todos eles cometidos no período compreendido entre Junho de 1984 e Agosto de 1985.
    De posse de um retrato falado, logo a identidade do assassino foi descoberta, com pôsteres de seu rosto sendo espalhados por toda a cidade. Reconhecido por uma senhora em um loja de conveniências, que começou a gritar que se tratava do "Night Stalker". Ramirez começou uma fuga deseperada pelas ruas, sendo perseguido por uma multidão enfurecida. Ele tentou roubar um carro, mas foi atingido com uma cano de metal pelo marido da motorista. A polícia acabou tendo que salvá-lo de uma multidão pronta para o linchamento.
    Na prisão, Ramirez tatuou pentagramas em suas mãos e por várias vezes, durante o julgamento, proferiu gritos de viva Satanás. Foi condenado, em 1989, à câmara de gás e espera a execução até hoje.

    ANGEL RESENDEZ
    Talvez um dos mais românticos e característicos elementos da cultura americana sejam as ferrovias que cruzam o país, levando pessoas de um lado a outro. Ideal para os que não têm a paciência para longas viagens de carro, mas também não estão com pressa suficiente que justifique pegar um avião, ou simplesmente para aqueles que desejam viajar admirando a paisagem com tranqüilidade. As estradas de ferro foram as grandes responsáveis pela expansão do país e colonização dos territórios do oeste americano. Mas elas também guardam suas histórias de terror e sangue: durante quase dois anos um assassino usou os trens para se deslocar de uma cidade para outra, deixando suas vítimas para trás, desaparecendo antes do amanhecer.
    Sua forma de agir era sempre a mesma, viajava de forma clandestina, atacava suas vítimas nas proximidades e desaparecia, novamente entrando clandestinamente num trem que estivesse saindo. Com esse modo simples de agir, Angel Maturino Resendez, de 39 anos, conseguiu iludir toda a polícia estadual e uma divisão especial do FBI, sendo preso somente no início de julho de 1999, graças a obstinação de um patrulheiro do Texas.
    Aquele que ficou conhecido como o "Assassino da Estrada de Ferro", era um imigrante ilegal, que entrou nos EUA pela fronteira com o México, cometeu a maioria de seus crimes na região central do Texas, mas há suspeitas de que possa ter feito vítimas em Kentucky e Illinois. Comparado a outros serial killers, Angel Resendez parecia sempre apresentar um motivo para seus crimes (bebida, drogas, um lugar para se esconder, mas principalmente por dinheiro). Estuprou algumas de suas vítimas, mas isso, segundo o traçador de perfis do FBI, John Douglas, apresentava um caráter secundário em seus atos. Segundo Douglas, Resendez era um criminoso confuso e desorganizado, que não apresentava planejamento de seus crimes nem de suas fugas. Mas isso acabou trabalhando a seu favor: como entrava em qualquer trem que estivesse partindo, nem o próprio Resendez sabia para onde estava indo, dessa forma ficava difícil seguir sua pista. Apesar disso, Resendez, como todo assassino em série também tinha sua "assinatura": suas vítimas eram sempre encontradas próximo aos trilhos dos trens e as armas usadas eram as que estivessem mais próximas (garrafas quebradas, estiletes, entre outros), sendo, em geral, abandonadas no local do crime.

  3. #3

    Registro
    15-12-2004
    Localização
    Cidade de Deus
    Idade
    28
    Posts
    3.319
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas EscritorCríticoDebatedorEstagiário
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão

    se só pode estar de brincadeira né Sepht? qm vai ler esse baguio todo? ._.;

    não da para fazer um resuminho nom?

    "A imaginação é mais importante do que o conhecimento"
    -{Albert Einstein}-

  4. #4
    Avatar de Sepht_Scavenger
    Registro
    06-10-2004
    Localização
    Na puta que pariu
    Idade
    30
    Posts
    253
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas DebatedorEstagiárioAdepto do OffCitizen
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão

    Resumo:
    Eles eram caras maus que mataram os outros de maneiras horrendas e se fuderam.
    Pronto ¬¬

  5. #5

    Registro
    22-02-2005
    Idade
    23
    Posts
    23
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas EstagiárioNewcomer
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão

    http://www.lendasurbanasbr.hpg.ig.com.br
    Agora a seção "Filmes".






  6. #6
    Avatar de Sepht_Scavenger
    Registro
    06-10-2004
    Localização
    Na puta que pariu
    Idade
    30
    Posts
    253
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas DebatedorEstagiárioAdepto do OffCitizen
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão

    Pra falar a verdade, eu ia usar a sessão Cartazes primeiro, mas já que vc deu a ideia...

  7. #7

    Registro
    22-02-2005
    Idade
    23
    Posts
    23
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas EstagiárioNewcomer
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão

    esse é do gueto...

  8. #8
    Avatar de Klavius Skylow
    Registro
    17-10-2004
    Localização
    Toronto, Canada
    Idade
    28
    Posts
    1.001
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas EscritorCríticoDebatedorEstagiário
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão

    Tah rox, principalmente a do Zodiaco....macabro O,O
    http://img374.imageshack.us/img374/543/darkside3aw.png

    Pra quem quiser relembrar... (dos tempos que Adriel ainda era um pouco homem xp):

    _____Quest 1
    http://forums.tibiabr.com/showthread.php?t=34645

    Mas passem pra conferir o ____Quest 2!
    http://forums.tibiabr.com/showthread.php?t=65048

    Momentum Clássico do ____Quest 1:
    -Você duvida de minha palavra, seu insignificante? - diz Adriel, puxando a espada.
    -Sim, duvido- Diz Fenrir, puxando a espada também.
    Adriel guarda a espada dele, e diz:
    -Por que duvidas de mim, somos todos amigos, não temos razões para mentir...

  9. #9
    Avatar de Dekton
    Registro
    07-12-2004
    Idade
    29
    Posts
    156
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas EstagiárioCitizen
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão

    Bem interessante as historias , li todas.

  10. #10
    Avatar de Húrin
    Registro
    25-02-2005
    Idade
    27
    Posts
    1.070
    Conquistas / PrêmiosAtividadeCurtidas / Tagging InfoPersonagem - TibiaPersonagem - TibiaME
    Conquistas CríticoDebatedorEstagiárioAdepto do Off
    Peso da Avaliação
    0

    Padrão

    mto bom tópico esses cara são macabros 1 pior q o otro e da hora o final do zoadico apesar de eu achar q ele jah morreu pq se ele tiver vivo tem uns 60 ou 70 anos acho q nem faz + nd.

    Publicidade:



Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •